domingo, 30 de setembro de 2012

Raças de Canários - Canários de Canto ( Parte 1 )



Para os criadores que desejam dedicar-se à criação destas raças de canários, um dos principais cuidados a ter é com o regime alimentar, diferente do de todas as outras raças. A semente de nabo constitui na sua alimentação, o principal elemento. Outra preocupação do criador é o ensinamento dos pequenos canários para o canto, que exige um trabalho paciente e dedicado.
 As aves são colocadas em pequenas caixas individuais (vinte e cinco centímetros de comprimento e vinte centímetros de fundo e altura) diante de um canário velho que funciona como "professor", havendo quem utilize disco ou gravação magnética. Quando atingem os dois meses, os canários começam a esforçar-se para cantar, sendo a altura ideal para os separar e colocar em pequenas gaiolas, chamadas de canto, iniciando-se o ensinamento. O canário cantor aprende por imitação, tornando-se indispensável para uma boa aprendizagem a existência de um bom "mestre", de que vai depender significativamente a qualidade do canto do "aluno". 
Achamos de toda a vantagem que a aprendizagem seja natural, isto é, que canários novos tenham como professor um canário velho, já experiente e bom cantor. No entanto, com o aparecimento de novas técnicas como já referido, há quem utilize outros meios, não nos competindo a nós contrariar esta opção. 
As pequenas gaiolas são colocadas em prateleiras, num local pouco iluminado e tranquilo para que os canarinhos estejam calmos e concentrados. O "mestre", quando for caso disso, é colocado o mais central possível, de modo a ser bem ouvido e visto pelos seus "alunos".
A aprendizagem consta, geralmente de uma ou duas lições pela manhã, uma ou duas pelo meio do dia e mais uma ou duas pelo fim da tarde dependendo muito, como é lógico, da orientação ou metodologia do criador. A operação repete-se por um período de dois a quatro meses, usual, de uma aprendizagem completa.
Assim temos o Canário Harzer, o Canário Malinois e o Canário Timbrado